Em reunião com os clubes, CBV recua e decide trocar linha branca pela cor verde

Em reunião com os clubes, CBV recua e decide trocar linha branca pela cor verde

Bruno Voloch

24 de novembro de 2020 | 09h11

Um problema a menos.

No feminino a questão está resolvida.

O blog apurou que os clubes decidiram após votação que a linha branca será trocada pelo verde. A cor foi sugerida, até onde o blog chegou, pela CBV, Confederação Brasileira de Vôlei.

O azul, escolha inicial, sequer foi testado. A cor vermelha entrou em pauta, mas acabou vetada pelo Banco do Brasil por causa do Bradesco.

A CBV e o Banco do Brasil admitiram diretamente que a linha branca sobre a cor amarela dificultava a visualização. A escolha infeliz foi motivo de críticas por parte dos técnicos, árbitros e jogadoras que detonaram abertamente a opção do marketing do Banco do Brasil em conjunto com a CBV.

A reunião com os clubes que jogam a Superliga Masculina acontecerá hoje.

A tendência é que siga a mesma linha.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.