Enquanto a base do BRASIL anda para trás, Rizola, dispensado pela CBV, faz história na Colômbia.

Enquanto a base do BRASIL anda para trás, Rizola, dispensado pela CBV, faz história na Colômbia.

Bruno Voloch

25 de julho de 2018 | 10h03

Enquanto a base do BRASIL se afunda e passa vergonha, ex-treinadores dispensados pela CBV, Confederação Brasileira de Vôlei, continuam fazendo sucesso pelo mundo afora.

Antônio Rizola é mais um exemplo.

O técnico, que trabalhou quase 30 anos nas categorias infanto e juvenil, acaba de fazer história dirigindo a Colômbia.

Ele classificou a seleção para a final dos Jogos Centro-Americanos e Caribe. Resultado histórico e inédito para o país.

A Colômbia jamais havia chegado ao pódio desde a primeira edição em 1926.

A conclusão que se chega é que a saída de profissionais do ramo e profundo conhecedores da modalidade, demitidos pela atual gestão, isso tudo por volta de 2012, tem sido determinante para o retrocesso.

Bons tempos em que a CBV, Confederação Brasileira de Vôlei, era exemplo de gestão para o mundo e o BRASIL dominava os mundiais infanto e juvenil.

Acabou.

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.