Estaduais não empolgam. Ainda.

Estaduais não empolgam. Ainda.

Bruno Voloch

11 de setembro de 2019 | 07h55

Enquanto a seleção feminina treina no Japão para a Copa do Mundo e a masculina joga o Sul-Americano no Chile, alguns dos principais times do BRASIL entram em ação gradativamente através dos estaduais.

Paulista e Mineiro são exceções. O Rio só ganhou em quantidade com a chegada do Flamengo.

O resto não existe.

Ainda assim São Paulo e Minas não empolgam. A coisa só deve ficar interessante depois que acabar oficialmente a temporada da seleção, o que ocorrerá após a Copa do Mundo masculina em meados de outubro.

O Paulista manteve o regulamento do ano passado. Sem novidades. O favorito Bauru deve decidir o título com Osasco no feminino, enquanto Taubaté, Sesi e Campinas, com boa vontade, lutarão entre os homens pelo estadual mais importante do país.

O Mineiro mudou a fórmula, passou a ser jogado em circuitos e com convidados.

A volta de Montes Claros, vestido de América, e a continuidade do projeto em Uberlândia são sinais claros do bom trabalho daqueles que comandam a federação local. No feminino o cenário não apresenta nada de novo e é o mesmo com Minas e Praia somente.

 

Tendências: