Fantasma russo reaparece em dia de pesadelo em Omaha

Fantasma russo reaparece em dia de pesadelo em Omaha

Bruno Voloch

23 de julho de 2015 | 19h47

Omaha, EUA.

O pesadelo voltou.

Fazia tempo, muito tempo que a Rússia não incomodava o BRASIL.

Mas o fantasma reapareceu e na pele de Nataliya Goncharova.

russia 1

A oposta desequilibrou o jogo válido pela segunda rodada da fase final do Grand Prix.

Goncharova fez 24 pontos, quase 1 set inteiro, na tranquila e surpreendente vitória por 3 a 0.

A Rússia dominou a partida do início ao fim.

Foram raríssimas as vezes em que o BRASIL esteve na frente do placar. A Rússia, por incrível que possa parecer, passou melhor e não teve problemas na recepção. É bem verdade que o saque do BRASIL foi absolutamente inofensivo. Nem o tradicional mas efetivo flutuante funcionou.

russias 2

A Rússia fez mais do dobro de pontos de bloqueio. Dominou todos os fundamentos.

O passe comprometeu e foi determinante para o ótimo aproveitamento das russas na rede.

Gabi rendeu abaixo do que normalmente apresenta. Suelle fez o que podia quando jogou o terceiro set.

A arbitragem, que andou se arapalhando em alguns desafios, não pode ser responsabilizada pelo resultado, especialmente quando se perde por 3 a 0.

A derrota compromete muito o sonho do décimo primeiro título do Grand Prix e quis o destino que a Rússia fizesse parte de mais essa história.

O prejuízo só não é maior porque o próximo adversário é o Japão.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: