Flamengo sofre duas derrotas no mesmo dia

Flamengo sofre duas derrotas no mesmo dia

Bruno Voloch

02 de dezembro de 2020 | 09h17

Duas derrotas no mesmo dia.

Enquanto o vôlei do Flamengo era inapelavelmente batido pelo rival Osasco por 3 a 0 em jogo válido pela Superliga, o futebol se despedia da Libertadores nos pênaltis para o Racing, da Argentina, no Maracanã.

Duros golpes, ainda que o primeiro já fosse esperado.

Sem Valquíria e Lorenne e com algumas jogadoras retornando após ficarem afastadas pela covid-19, o time foi presa fácil em São Paulo. Teve alguns lampejos no segundo set, mas no geral caiu com facilidade. A insegurança e a quantidade de erros chamam atenção, algo raro no passado e antes da parceria.

A líbero Camila, diferente do que venderam, sente o peso e Ana Cristina ainda não é o que imaginam.

O segundo golpe do dia pode trazer mais consequências negativas ao vôlei agravando a crise e o relacionamento ruim, público e notório, entre Bernardinho e o presidente Rodolfo Landim.

O futebol perde receita fora da Libertadores. Cerca de R$ 130 milhões.

Se o vôlei já pagava o pato, imagine agora.

Como se não bastasse a visível fragilidade técnica do elenco, as constantes lesões e o surto de coronavírus remam contra.

O Flamengo terá que encontrar soluções a curto prazo, dentro e fora de quadra, e nesse caso não é indicado depender do futebol, muito menos da boa vontade de Rodolfo Landim.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.