Futuro do vôlei do Sesc se arrasta. Defesa consegue manobra e adia julgamento de Orlando Diniz no Rio.

Futuro do vôlei do Sesc se arrasta. Defesa consegue manobra e adia julgamento de Orlando Diniz no Rio.

Bruno Voloch

06 de fevereiro de 2018 | 10h43

O Rio de Janeiro se vê novamente diante do conhecido ‘pulo do gato’.

O julgamento de Orlando Diniz, cuja gestão é acusada de ter desviado mais de R$ 350 milhões, foi adiado. Com isso e sem data definida para decidir o futuro do citado, os times feminino e masculino irão viver dias de apreensão.

E o período não poderia ser mais inapropriado.

As duas equipes estarão envolvidas nos playoffs da Superliga sem saber se o projeto, hoje ameaçado, irá continuar.

O atual presidente, Luiz Gastão, já disse que o vôlei não é prioridade. Não dá maneira como vem sendo feito e o projeto executado.

O blog apurou que já havia uma expectativa de que um dos ministros pudesse ‘pedir vista’ do processo adiando assim a decisão de hoje. Agora, com o adiamento, as partes poderão se manifestar de novo.

A tendência é que o novo julgamento aconteça somente no fim de março ou em abril.

O que isso significa na prática? em março tem eleição na Fecomercio e Orlando Diniz teria tempo hábil para se movimentar nos bastidores e tentar se eleger.

Diniz junta o útil ao agradável. Segue fazendo campanha para tentar se reeleger para Fecomercio e mantém apartadas Fecomercio Rio, de um lado, e Sesc/Senac RJ, do outro.

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: