Grandes ‘quebrados’, mesmice e todos contra o Cruzeiro na Superliga Masculina

Grandes ‘quebrados’, mesmice e todos contra o Cruzeiro na Superliga Masculina

Bruno Voloch

06 Novembro 2015 | 14h13

Poucas mudanças na Superliga Masculina que começa no fim de semana. Os clubes, ainda reféns, sofrem com o regulamento retrógrado e desgastado, terão que conviver com as habituais alterações na tabela de jogos e provavelmente muitos erros de arbitragem.

Os grandes foram prejudicados e não terão força máxima de cara em função dos jogadores que voltaram da seleção brasileira lesionados. Casos de Cruzeiro, Sesi e Taubaté.

São 12 times e um favorito destacado: Cruzeiro.

222

O time mineiro manteve a base bicampeã e conta com o cubano Leal, melhor jogador em atividade no BRASIL.
Taubaté e Sesi, não necessariamente na ordem, disputarão em tese o direito de jogar a final contra o Cruzeiro.
O Sesi, ainda capenga por causa de Murilo, mostrou deficiências no campeonato paulista. Serginho faz a diferença no fundo de quadra. Marcos Pacheco deve apostar na juventude. Sidão está distante do condicionamento físico ideal. Thiago Alves idem. O central Aracaju é interessante.
111
Taubaté também tem problemas. Rapha se contundiu nas finais do campeonato estadual e Riad só volta em fevereiro. Lucarelli é a grande aposta de Cezar Douglas.  Sem poder contar com o canadense Gavin, o oposto Leozão, muito bom de bola, terá a sombra do cubano Sanchez.
Minas, Campinas e São José chegam no pelotão de trás. O Minas tem tradição, manteve como era de se esperar Nery Tambeiro e os atacantes Escobar e Bruno Canuto.
Campinas mudou de estratégia e apostou nos gringosO romeno Olteanu e o argentino Gonzalez chegam credenciados. Lucas Loh será enfim testado.
São José pode aprontar. Rodriguinho, Lorena, Diogo e Mario Jr formam a base de Leonardo Carvalho. Em casa será sempre um adversário duríssimo.
Os 3 times dificilmente deixarão de estar entre os 8.
333
Maringá sofreu e perdeu parte da verba. Viu o orçamento despencar. Ricardinho ainda é a referência. Thiago Sens e o japonês Tatsuya Fukuzawa são os destaques.
No sul, Canoas, atual campeão gaúcho e do competente Marcelo Fronckowiak, conta com o experiente levantador Sandro.
O Voleisul, de Novo Hamburgo, trouxe o ponteiro Mão e o oposto Franco. Jogadores  experientes como Samuel, Acácio e Rafinha são o ponto de equilíbrio do time.
Bento Gonçalves, novamente na elite, trouxe Paulão para técnico e repatriou Marlon que estava na Rússia. O oposto Rivaldo é um dos nomes mais conhecidos.
André Nascimento, campeão olímpico, é o cara de Montes Claros. Será pouco. A apaixonada torcida merecia mais. Assim como Juiz de Fora, não pode sonhar com nada e vai lutar apenas para não cair.
A primeira rodada, já quebrada, marca para o sábado o jogo entre Campinas e Maringá. Ainda no sábado jogam Minas x São José. No domingo será a vez de Voleisul x Juiz de Fora e Montes Claros x Taubaté.