Ironia do destino no tricampeonato do Praia Clube

Ironia do destino no tricampeonato do Praia Clube

Bruno Voloch

07 de novembro de 2020 | 09h19

Dessa vez não teve banho.

O Praia Clube deixou escapar um set em Campo Grande e não repetiu os 3 a 0 de Saquarema.

Anne Buijs, por ironia do destino, foi o destaque do time.

A única tática do Flamengo, pobre tecnicamente, era sacar na holandesa e tirá-la da partida. Estratégia que não funcionou, ou melhor, surtiu algum efeito apenas em parte do segundo set.

Confiança é tudo.

Quando Anne voltou, no terceiro set, não saiu mais e não tomou conhecimento do adversário. Atuando com incrível personalidade, rodou praticamente todas as bolas e resolveu no ataque.

O Praia, extremamente disciplinado taticamente, sobrou coletivamente. Mérito de Claudinha que equilibrou a distribuição e não sobrecarregou ninguém. Quem veio do banco, correspondeu.

As conquistas recentes apagam de certa forma a frustração da perda do estadual para o Minas.

O time joga com alegria, evoluiu e respondeu rápido.

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.