Itapetininga se posiciona contra CBV: ‘É errado os clubes pagarem a conta’

Itapetininga se posiciona contra CBV: ‘É errado os clubes pagarem a conta’

Bruno Voloch

08 de setembro de 2020 | 17h51

Itapetininga pensa como Blumenau e a maioria.

Para Rodrigo Moraes, gestor do clube paulista, a CBV, Confederação Brasileira de Vôlei, tem obrigação de arcar com os custos para os testes da Covid-19.

Campinas, até agora, é o único time que pensa diferente e sugeriu dividir as despesas com a entidade.

Hipótese que foi completamente descartada pelo gestor de Itapetininga:

‘Nós ainda somos um time pequeno, mas nem por isso deixamos de pensar grande e ter opinião formada sobre o tema. Itapetininga tem personalidade. É errado. Se for para pagar 100% dos gastos, somos contra sim. Não temos condições. A CBV tem mecanismos para encontrar parceiros e nos entregar o protocolo sem despesas extra. O protocolo não pode ficar com os clubes’.

O dirigente diz inclusive que a CBV poderia ir além na ajuda aos clubes:

‘Minha opinião é mais ampla. A CBV pode ajudar os clubes porque a maioria tem dificuldades financeiras. E não vejo apenas na questão protocolo. A CBV poderia auxiliar de outras maneiras também’.

Rodrigo deixa claro que independentemente de qualquer coisa, o clube e os responsáveis estão respeitando as determinações da saúde:

‘Estamos tomando todos os cuidados devidos, atentos e sempre preservando pela saúde dos jogadores e da comissão técnica. A gente encara com bastante atenção e respeito e para que o protocolo seja feito da melhor maneira possível e não apareçam surpresas desagradáveis’.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: