Lorenne resolve, Amanda entrega; Osasco avança, Barueri não.

Lorenne resolve, Amanda entrega; Osasco avança, Barueri não.

Bruno Voloch

29 Outubro 2018 | 08h12

Dá para dizer que pesou a tradição da camisa de Osasco.

Dá para afirmar que Lorenne fez seu melhor jogo em quase 2 anos de clube e que a confiança de Claudinha na central Walewska, decisiva, foi determinante para a classificação de Osasco para a final do campeonato paulista.

Só que Osasco não teria conseguido vencer o jogo (3 x 2) e o golden set (25 x 16) se não tivesse contado com Paula Pequeno a partir do terceiro set. A entrada da experiente atacante novamente na vaga de Mari Paraíba mudou o jogo.

Paula deu mais equilíbrio ao time e ajustou o passe.

Mérito de Luizomar de Moura que já havia surpreendido Barueri com a escalação da quase sempre eficiente Natália.

Enquanto isso José Roberto Guimarães sofria seu primeiro dissabor com Amanda, jogadora da seleção, que virou alvo de Osasco no saque, não resistiu e entregou na recepção como era de se esperar.

Frustração essa amenizada pela nítida e importantíssima evolução física e técnica de Thaísa que só perdeu nos números para a polonesa Skowronska.

Maira e Milka sentiram a pressão e não repetiram o bom desempenho da primeira partida. São novas e se bem trabalhadas podem dar caldo.

Por essas e outras passa Osasco e fica Barueri.