Mão ajuda, atacantes não. Só Edinara vira em Barueri.

Mão ajuda, atacantes não. Só Edinara vira em Barueri.

Bruno Voloch

24 Janeiro 2018 | 09h10

Carli Lloyd chegou para ajudar. Só que a torcida de Barueri não deve esperar que a levantadora norte-americana resolva todos os problemas do time de José Roberto Guimarães.

O que se viu na derrota de 3 a 0 para o Minas é exatamente o que tem acontecido com Barueri ao longo da Superliga. A equipe depende exclusivamente de Edinara no ataque.

Só ela joga e vira em quadra.

Foto: Wander Roberto

A jovem e promissora oposta marcou 17 pontos. Números bem razoáveis, superando inclusive Rosamaria e Hooker, referências do Minas.

Mas o resto?

Aí é que está a diferença.

O resto não acompanha o ritmo e a regularidade de Edinara.

José Roberto Guimarães tem sido paciente. Ele sabe que não pode jogar toda responsabilidade nas costas da menina. As mais experientes e que tinham obrigação de ajudar não comparecem.

Uma delas dispensa comentários. Já se sabia que não renderia.

Normal.

O que (não) tem sido feito em quadra certamente determinará o futuro delas na próxima temporada.