Marcelo Fronckowiak, até segunda ordem, continua prestigiado na seleção brasileira

Marcelo Fronckowiak, até segunda ordem, continua prestigiado na seleção brasileira

Bruno Voloch

25 de julho de 2019 | 08h18

A indicação de Marcelo Fronckowiak para dirigir a seleção brasileira no Pan significaria prestígio.

Isso em tese.

Circula nos bastidores, informação de dentro do grupo, que a escolha dele para ser o treinador do BRASIL na competição foi a maneira mais de afastar Marcelo do convívio com o time principal que treina para o pré-olímpico.

O blog apurou que o bom e eficiente trabalho dele quando Renan ficou impedido de dirigir a seleção nas primeiras rodadas da VNL teria gerado desconforto com um dos assistentes e único remanescente da época de Bernardinho.

Indicar Fronckowiak para a seleção B teria sido a solução prática. A chegada de Schwanke em maio é mais um indicativo do processo de fritura.

Sábado a delegação segue para Lima, no Peru. A estreia do BRASIL acontecerá dia 31 contra o México.

O blog conversou com gente influente em Saquarema que amenizou a situação e cravou a permanência dele após o Pan.

Até onde o blog chegou, Fronckowiak só não irá para a Copa do Mundo do Japão em outubro por causa de compromissos profissionais na Polônia. Ele entretanto, segundo a mesma fonte, deverá comandar o BRASIL nos amistosos programados contra a Argentina após a disputa do pré-olímpico da Bulgária.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: