Mari Paraíba reacende polêmica e vê desigualdade com Tifanny jogando entre as mulheres.

Mari Paraíba reacende polêmica e vê desigualdade com Tifanny jogando entre as mulheres.

Bruno Voloch

06 Novembro 2018 | 08h30

Mari Paraíba foi sutil.

Direta e objetiva, passou o recado.

A jogadora de Osasco deixou claro que Tifanny, atleta transgênero de Bauru, fez a diferença na decisão do campeonato paulista conquistado pela primeira pelo time do interior paulista.

Foi o suficiente para reacender a polêmica que tomou conta da Superliga na temporada passada. Tiffany, segundo o COI, Comitê Olímpico Internacional, se enquadra nos requisitos preliminares para jogar entre as mulheres, ou seja, manter-se abaixo de um determinado limite de testosterona.

Para tanto, a jogadora se submete a testes regulares de avaliação.

A CBV, Confederação Brasileira de Vôlei, seguiu as determinações, aceitou e liberou Tiffany em dezembro de 2017. A FIVB, Federação Internacional de Vôlei, não. A entidade pediu prazo, ainda estuda com cautela a questão e discute o caso internamente entre os especialistas.

Fato é que Mari Paraíba não é a primeira a criticar e falar em desigualdade. Tandara, Fabiana, Mari Casemiro e Paulo Coco, técnico do Praia, criticaram abertamente a presença de Tifanny entre as mulheres.