Maringá, sem salário desde outubro e plano de saúde para os jogadores, pode abandonar Superliga

Maringá, sem salário desde outubro e plano de saúde para os jogadores, pode abandonar Superliga

Bruno Voloch

20 de janeiro de 2020 | 08h55

É gravíssima a situação de Maringá.

O clube, segundo o blog apurou, pode inclusive abandonar a Superliga.

A empresa que abraçou o projeto não honra com os compromissos financeiros, os jogadores e a comissão técnica estão sem plano de saúde e dia 30 completam 3 meses sem receber.

O último salário foi pago em outubro.

Não existe verba para custear as viagens. Até mesmo os projetos sociais na cidade, que envolvem mais de 400 crianças, está seriamente ameaçado.

O clima é de tristeza e inconformismo em Maringá, sétimo colocado na Superliga após a derrota para o Minas por 3 a 0.

Fundado em 2012, o time é presidido pelo ex-jogador Ricardinho.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: