Maurício Borges enaltece estrutura de Taubaté: ‘Já adaptado e matando a saudade’

Maurício Borges enaltece estrutura de Taubaté: ‘Já adaptado e matando a saudade’

Bruno Voloch

17 de setembro de 2020 | 09h58

A primeira vez a gente nunca esquece.

Maurício Borges jamais vestiu na carreira a camisa de Taubaté.

Aos 31 anos, ele é uma das várias caras novas de Javier Weber para a temporada 2020/21. A responsabilidade do ponteiro campeão olímpico em 2016 no Rio é grande, afinal chega para ocupar a vaga deixada por Lucarelli, hoje na Itália:

‘Sei bem a importância e o quanto Lucarelli significa para a torcida de Taubaté. Mas chego para desempenhar o meu papel. Eu e o João Rafael chegamos nesta temporada para ajudar o time e queremos manter o grupo no mesmo nível depois de ter sido campeão na Superliga anterior e ter terminado em primeiro lugar quando o campeonato foi paralisado por causa da pandemia’.

Maurício soma passagens pelo Cruzeiro, Sesi e o extinto Sesc. Mudança é algo rotineiro na carreira dele. O jogador traz a experiência de ter atuado na Rússia e Turquia.

A adaptação na cidade foi mais simples do que se imaginava:

‘Estou bem instalado com a família. Todos adorando a cidade e posso dizer que já estou adaptado’.

O ritmo, por razões óbvias, ainda não é o ideal. E nem poderia, afinal foram quase 6 meses de inatividade, como ele mesmo confessa:

‘Claro que os treinos ainda não estão no ritmo considerado normal no vôlei porque todos ficamos muito tempo parados, mas já está dando para matar um pouco da saudade. Estou gostando muito de toda a estrutura do time’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: