Me engana que eu gosto contra a Bulgária

Me engana que eu gosto contra a Bulgária

Bruno Voloch

30 de maio de 2019 | 17h58

É cada dia mais difícil entender o que se passa na cabeça daqueles que comandam a seleção feminina.

Senão, vejamos.

O que foi colocado em prática na terceira partida em Apeldoorn, na Holanda, contra a Bulgária, é preocupante e absolutamente contraditório. A VNL, segundo declarações do próprio José Roberto Guimarães, seria usada para testar algumas caras novas e reavaliar parte do grupo.

A Bulgária, que teria sérias dificuldades para se sustentar na Superliga, é a última colocada e perdeu todos os jogos que disputou, ou seja, mais uma oportunidade, fora as desperdiçadas contra China e Rússia no BRASIL.  Nesse caso, com boa vontade, deu para aliviar a barra, afinal existia o compromisso de tentar não fazer feio em casa.

Mas dessa vez, não.

Não tem desculpa.

Por que não manter Tainara, usar Julia, experimentar Natinha e as centrais Lara e Milka?

A Bulgária era o adversário ideal.

O jogo de hoje foi pura perda de tempo no melhor estilo me engana que eu gosto.

 

 

Tendências: