Monster Block

Monster Block

Bruno Voloch

10 de outubro de 2019 | 08h16

Hoje sim.

Finalmente, a vitória. A primeira de verdade na Copa do Mundo. A sétima consecutiva do BRASIL na Copa do Mundo pode e deve ser enaltecida.

Sem desmerecer o que a seleção fez até aqui, no íntimo todo mundo sabe, inclusive os próprios jogadores, a coisa não servia como parâmetro por causa da opção dos tradicionais adversários de jogar com time B.

O mesmo porém não se encaixa aos Estados Unidos. Não ganhamos de um adversário qualquer.

Foi um 3 a 0 convincente.

Vitória de gente grande. E os Estados Unidos estavam quase completos, exceção de Taylor Sander, o que valoriza e muito o resultado alcançado.

Exibição de alto nível e que teve no bloqueio o ponto alto. 8 pontos em 3 sets, naquele que é ou era, junto com o passe, o fundamento mais deficiente da seleção na temporada. E contra apenas 1 dos Estados Unidos, mérito da recepção que proporcionou a distribuição eficiente de Bruno.

Jogo surpreendentemente tranquilo, ou melhor, que o BRASIL transformou em tranquilo, tanto que Renan praticamente não mexeu no time que saiu jogando.

Equilibrado nos fundamentos e nos números, a seleção acabou não tendo nenhum destaque individual. Foi uma vitória do conjunto, da aplicação tática, algo imprescindível e que deve ser enaltecido quando se joga contra os Estados Unidos.

 

Tendências: