Na reta final da gravidez, Tandara controla ansiedade para chegada de Maria Clara

Na reta final da gravidez, Tandara controla ansiedade para chegada de Maria Clara

Bruno Voloch

06 de agosto de 2015 | 09h24

Tandara, uma das estrelas da seleção brasileira, está em Uberlândia com a família. A jogadora não se desliga do esporte, mas prioriza as 35 semanas de gravidez sempre acompanhada do marido Cléber.

O blog conversou com a atleta.

Falamos do futuro da jogadora, de seleção brasileira e da ansiedade pela chegada do bebê.

Tandara elogiou a decisão da comissão técnica e admite a superioridade dos Estados Unidos no cenário mundial.

Apesar da gravidez você acompanhou os jogos do BRASIL no Pan e no Grand Prix?

‘Apesar de estar afastada da seleção acompanhei sim os jogos do Pan e do Grand Prix’.

O que você achou ? A comissão técnica fez certo ao dar oportunidade para as mais jovens?

‘Eu acredito que ele fez bem sim em dividir o grupo e colocar as mais novas para jogar. Acredito que foi bom para cada uma se sentir importante e capaz de representar o Brasil em competições como o Pan e o Grand Prix, pois são dois torneios interessantes disputados pela seleção.’

Os Estados Unidos desde o mundial de 2014 ganharam todas as competições. Hoje formam o melhor time do mundo?

‘Penso sim que hoje os EUA formam o melhor time da atualidade. Isso mostra que temos que correr atrás para combater essa confiança delas. Assusta um pouco mas nos motiva para conquistar cada competição futura, pois querendo ou não nós ainda somos favoritas para a Olimpíada por sermos bicampeãs’.

IMG-20150805-WA0007

E quanto ao seu futuro? Já decidiu?

‘Eu ainda estou sem time. Apenas especulações mas nada definido ainda. Enquanto isso eu curto esse finalzinho da minha gravidez pois estou com 35 semanas e Maria Clara pode nascer a qualquer momento. Até setembro acredito que resolva a minha vida profissional’.

Como você está se sentindo nas últimas semanas de gravidez?

‘Um nervoso só. Ansiosa pra ver o rostinho dela, tudo já está pronto esperando por ela. Agora é ela quem manda’.

O nome? Quem escolheu? Como vai se chamar?

‘O nome foi eu que escolhi, foi bem difícil mas o Cléber não resistiu e autorizou será Maria Clara Caixeta de Oliveira’.

E suas companheiras de seleção? Elas ligam para você?

‘As meninas sempre me mandam mensagens de apoio perguntando como estou. Elas falam que estão surpresas por ter engordado pouco até agora, pois foram 11kg e isso é bom para meu breve retorno que é o meu objetivo’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: