Na véspera da estreia, Rapha elogia novo parceiro em Taubaté. Bruno se recusa a falar sobre o tema

Na véspera da estreia, Rapha elogia novo parceiro em Taubaté. Bruno se recusa a falar sobre o tema

Bruno Voloch

16 de setembro de 2020 | 16h36

Sinal positivo de um lado e suspeito do outro.

Nenhum time do BRASIL terá dois levantadores tão talentosos e experientes no mesmo time. Taubaté é exceção. Obra do ex-técnico Renan que foi o responsável pela contratação de Bruno Rezende, hoje maior salário do vôlei brasileiro.

O blog apurou que o levantador fechou por R$ 1,8 milhão pela temporada.

O reconhecimento de Rapha vai além dos números. Ele é ídolo da torcida, referência na cidade e a cara do projeto. O blog procurou os dois para uma entrevista sobre a disputa dentro de quadra. Rapha topou falar sobre o tema. Bruno, também procurado via assessoria do clube, se recusou.

Profissional, o capitão de Taubaté não só falou da parceria com Bruno Rezende, como elogiou o trabalho do técnico argentino Javier Weber. Rapha comentou a expectativa para entrar em quadra novamente para um jogo oficial, do favoritismo inegável do time e do futuro no projeto.

Como se sente para entrar em quadra depois de quase 6 meses de inatividade por causa da pandemia?

‘As expectativas são grandes em relação a essa nossa volta depois de 6 meses. Foi uma parada muito brusca em março, quando tivemos que fazer esse “lockdown”, parar tudo, etc. E a ansiedade para um retorno foi sempre grande ao longo desse tempo. Infelizmente a gente não vai poder contar com a torcida, que é um fator que para nós influencia bastante aqui em Taubaté. A torcida é apaixonada, nos motiva muito, é realmente um combustível para nós. Mas infelizmente tem que ser assim nesse momento, para segurança de todos. As expectativas são as melhores possíveis, estamos bem empolgados em poder voltar a fazer aqui que a gente ama, que é jogar voleibol’.

O que muda em Taubaté com a saída do Renan e a chegada do Weber?

‘São dois grandes treinadores. Renan com todos os seus méritos, e o Javier Weber com todos os seus méritos também. A gente tem muito da filosofia do Renan ainda nesse grupo, e com a chegada do Weber vejo um acréscimo de qualidade no time, ele traz um estilo de jogo muito guerreiro, um voleibol muito bem jogado, onde se dá muita atenção à parte defensiva. Ele vem implantando no nosso dia a dia essas qualidades da escola do voleibol argentino, e poder fazer esse mix de qualidades brasileiras e argentinas, é um grande salto de qualidade que a gente dá no nosso time para essa temporada’.

Qual a primeira impressão do novo técnico?

‘Eu já conhecia o Weber, mas nunca tinha trabalho junto com ele. Já joguei contra ele, e tudo o que falavam era só coisas boas, e nós estamos podendo confirmar isso e conhecer o trabalho dele aqui. Ele entende muito de voleibol, passa um comprometimento para a equipe muito grande, levando nosso time a ser muito aguerrido, o tempo inteiro comprometido com aquilo que é proposto. Então o time está muito feliz e empolgado com a chegada dele, e muito motivado para começar a jogar com toda essa energia que está sendo colocada para nós todos os dias. A impressão que ele já deixa é muito boa, e com certeza a história a ser construída será muito positiva aqui em Taubaté’.

Taubaté entra novamente como favorito para todas as competições?

‘Nós não fugimos disso, e realmente é uma responsabilidade que nós precisamos assumir. Taubaté entra como um dos favoritos em todas competições, com certeza, assim como outros grandes clubes que entram na temporada com responsabilidade também. vejo que é importante o time assumir as responsabilidades e que isso seja um combustível a mais para nós. A gente conhece e respeita muito todos os outros times, sabendo de suas qualidades, mas a responsabilidade de irmos em busca de todos os títulos é bem clara para nós, o time foi formado para isso’.

Como será essa parceria e disputa interna com o Bruno Rezende? O que pode falar sobre ele ?

‘É exatamente isso, uma parceria mesmo. O Bruno é um amigo que eu admiro muito por tudo o que fez e faz pelo voleibol brasileiro, acho que não existe uma disputa, e sim uma ajuda mútua. Ao longo dessa temporada será um grande prazer poder dividir a quadra com ele, temos muito a crescer estando juntos. Fiquei muito feliz quando foi confirmada a vinda dele para o projeto aqui em Taubaté, pois é de uma importância enorme para a equipe a vinda de um ícone do voleibol brasileiro. Tenho certeza que essa parceria será muito positiva, vamos nos ajudar muito, e nossa força coletiva será o diferencial’.

Como encara essa posição de ídolo e referência do projeto?

‘Para mim é uma honra e grande prazer estar há 7 anos no projeto, ter feito parte do crescimento do time, poder ser embaixador do projeto da EAFI (Escola de Atletas e Formação Integral, da Prefeitura de Taubaté), que é um projeto de destaque no Brasil. Tudo isso é muito importante, e poder dar continuidade ao esporte dentro da vida das pessoas. poder incentivar os jovens a ter no esporte um caminho de evolução pessoal, social e poder usufruir de tudo de bom que o esporte nos dá. É uma posição que eu assumo com carinho e responsabilidade, porque acho que o nosso legado vai muito além do que nós fazemos dentro da quadra. Taubaté é uma cidade que realmente entende o esporte como ferramenta transformadora, e abraçou o esporte com um carinho enorme. Pra mim é um grande prazer poder contribuir com tudo isso e ser uma referência do projeto na cidade’.

É verdade que quando você decidir parar assumirá a função de manager de Taubaté?

‘São projetos futuros que eu tenho orgulho de dizer que gostaria, obviamente, de continuar no voleibol depois que eu parar de jogar. Quero que seja um processo natural, não existe ainda uma data específica para minha aposentadoria. Tenho muito respeito por todo o pessoal de Taubaté. Nós temos aqui uma equipe de menagers e supervisores e diretores que fazem um trabalho incrível. Se um dia eu me tornar parte desse grupo diretivo aqui, seria um grande prazer poder somar forças com essas pessoas que já fazem um grande trabalho. Como falei, não tenho uma data definida para me aposentar, mas continuar no voleibol ajudando no projeto taubateano, seria uma honra, por todo o carinho que sempre recebi aqui. Vamos deixar que o tempo faça o trabalho e defina o caminho natural das coisas, mas é um grande prazer estar há 7 anos no clube, e ver a estruturação, o crescimento e a raiz firmada na cidade, me enche de orgulho’.

Taubaté, atual campeão da Superliga, estreia no Campeonato Paulista na próxima sexta-feira, dia 18, contra Guarulhos no Abaeté.

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: