Ninguém para e ninguém vai parar o melhor de todos os tempos

Ninguém para e ninguém vai parar o melhor de todos os tempos

Bruno Voloch

16 de fevereiro de 2020 | 09h05

Parece imagem de arquivo, mas não é.

Ver o Cruzeiro comemorando título é tão normal que fica difícil não ser repetitivo. O clube mineiro sobra no BRASIL e sobra mais ainda no continente.

O heptacampeonato sul-americano contra o UPCN, da Argentina, foi  37º título da história desde 2010. Números absurdos que confirmam o Cruzeiro como o mais vitorioso clube brasileiro de todos os tempos.

Exemplo de administração, o Cruzeiro está muito à frente da concorrência. Modelo que deveria servir de inspiração. Marcelo Mendez remontou o grupo, perdeu peças importantes, mas o DNA e a essência são os mesmos.

Enquanto isso, a turma continua comendo poeira.

Taubaté se enrola sozinho, promete mundos e fundos e não paga ninguém. O Sesi está sempre sorrindo. Não existe cobrança por resultados e a política, ultrapassada, mata qualquer ambição.

O Sesc se acertasse nas peças e tivesse mais camisa, poderia até ameaçar o Cruzeiro, mas não vai. Não por enquanto.

Os demais assistem pela televisão. E aplaudem.

Reconhecimento ao melhor de todos os tempos.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: