O custo irrecuperável para Osasco

O custo irrecuperável para Osasco

Bruno Voloch

13 de março de 2019 | 09h28

Osasco, do returno, seria terceiro colocado na Superliga.

Seria, porque que os tropeços no primeiro turno custaram caro ao time. Os chamados pontos irrecuperáveis estão fazendo a diferença na classificação.

Pontos esses perdidos para o próprio Fluminense, ontem batido facilmente na Hebraica por 3 a 0, e que no Liberatti marcou inaceitáveis 3 a 0.

Virada sofrida para o Pinheiros, que nem entre os 8 ficou, por 3 a 2 em casa. E lá se foram mais dois pontos pelo caminho. Derrota essa que seria devolvida também no returno.

A lesão de Claudinha e Hooker, ganhando ritmo na ocasião, serviriam naturalmente como razoáveis prerrogativas, mas ninguém em condições normais pode perder para Pinheiros e Fluminense, ainda mais Osasco.

Se bem que até o Rio caiu para o Fluminense.

Osasco andou.

Hoje, verdade seja dita, se encontra em outro patamar. Evoluiu, tem o time mais inteiro fisicamente, Hokker em boa forma, mas poucas alternativas úteis no banco.

Saiu de sexto para quinto e pode até acabar em quarto, mas dependeria de uma improvável derrota de Barueri para São Caetano, desde que claro o time faça sua parte e vença o ‘penetra’ Brasília.