Paciência de Jó!

Paciência de Jó!

Bruno Voloch

15 Agosto 2018 | 09h35

Karch Kiraly, técnico dos Estados Unidos, deve estar adorando a excursão pelo BRASIL. Ele sim tem aproveitado os amistosos para definir os últimos nomes para o Mundial do Japão, onde o blog estará em setembro.

E terá trabalho. Briga boa e interessante no meio e na saída. Drews e Lowe estão voando. Bartsch se garantiu. Hancock tem uma mão melhor. Courtney tem a vantagem de fazer ponta e líbero

José Roberto Guimarães não teve a mesma sorte.

Os Estados Unidos, com time B, continuam deitando e rolando em cima do BRASIL nos amistosos e ganharam mais uma, agora por 3 a 0.

O discurso oficial fala em testes e coisas do gênero. Mas nunca é bom perder, ainda mais para as norte-americanas. O que a maioria não vê ou se recusa e enxergar é que não é preciso testar mais nada. O termo ‘teste’ não se encaixa ao momento que atravessa a seleção brasileira.

Me recuso a falar sobre Amanda. Fazer o quê?

A esperança é que José Roberto Guimarães acorde a tempo. O treinador tem crédito suficiente, embora abuse do direito de colocar Amanda em quadra, e conhece o potencial de cada uma das jogadoras que foram convocadas. Sabe muito bem quem pode render e quem não vai dar conta.

Jogador de clube, jogadora de seleção.

E não é só ela. Fernanda Tomé se encaixa no mesmo cenário. Gabirú é outra interrogação. Essa sim tem que ser testada. Justifica-se plenamente a escalação nos amistosos.

Rosa tem vivido de altos e baixos, só que é mais versátil que suas concorrentes diretas.

A comissão precisa aproveitar para dar ritmo de jogo para jogadoras como Dani Lins, Thaísa e Gabizinha, aquelas que na hora H serão chamadas para resolver.

O ideal seria aproveitar Natália também, mas segundo consta, ela ainda está distante do ideal. Nem Drussya, com problema na canela, pode ser aproveitada.

As 5 entretanto, salvo imprevistos, irão ao Japão.