Pan de pouca esperança para o vôlei masculino

Pan de pouca esperança para o vôlei masculino

Bruno Voloch

13 de julho de 2015 | 07h53

É bom o torcedor brasileiro não criar muita expectativa em relação ao vôlei masculino nos jogos Pan-Americanos.

Pelo que (nã0) se viu nos amistosos contra o time B da Argentina, sair de Toronto com uma medalha já será um feito e tanto.

O BRASIL, que ganhou o ouro em 2007 e 2011, está longe de ser o favorito. Manter a hegemonia é absolutamente improvável.

Como as datas das duas competições acabam coincidindo, Bernardinho optou em priorizar a Liga Mundial.

pan

No último jogo antes de embarcar para o Canadá, a seleção fez feio e tomou de 3 a 0 da Argentina, em João Pessoa. Foi a segunda derrota em 3 jogos.
O detalhe é que a Argentina não disputará o Pan com a equipe que veio ao BRASIL. O time argentino será o que estava na Bulgária jogando as finais do grupo 2 da Liga Mundial, ou seja, o cenário é desanimador.
A equipe foi comandada por Maurício Motta nos amistosos, mas durante o Pan deve ganhar o reforço durante de Rubinho, assistente de Bernardinho.

A base deve ter Renan Buiatti, Thiaguinho, Maurício Borges, Doulgas Souza, Otávio, Maurício Souza e Tiago Brendle (líbero).

Rafael Araújo, Murilo Radke, João Rafael, Flávio e Kadu são as opções no banco.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: