Praia cura ressaca degustando Bauru em Uberlândia

Praia cura ressaca degustando Bauru em Uberlândia

Bruno Voloch

14 de dezembro de 2019 | 08h53

Bauru era tudo que o Praia Clube precisava para curar a ressaca da pífia campanha no Mundial da China.

A inacreditável falta de comando continua refletindo dentro de quadra. E como os dirigentes assistem de braços cruzados o time perder um jogo atrás do outro sem cobrança e atitude, os adversários vão se divertindo, como foi o caso do Praia Clube no terceiro set em Uberlândia.

A derrota por 25/15 escancara o desgaste entre o grupo e a comissão técnica, especialmente Anderson Rodrigues, que teve a coragem de reclamar da arbitragem após o jogo.

São sempre as mesmas desculpas e a promessa de evolução. Nada literalmente acontece em Bauru.

Dessa vez Andressa e Sarah Wilhite, indicada pelo treinador, ficaram de castigo no banco.

Como não existe critério nas escolhas, a regra é simples: quem termina em quadra, começa no jogo seguinte, independentemente do adversário.

Sendo assim, a gloriosa Sarah pode ter esperança. Andressa não.

Foi a quarta derrota em 9 jogos, ou seja, o time perdeu quase 50% das partidas que disputou na Superliga.

Nada literalmente acontece em Bauru.

O Praia Clube, redondinho, fez apenas o dever de casa. E degustou.

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.