Renan, ex-funcionário da CBV, não comenta recentes denúncias, nega dedo de ‘senadores’ e interferência na seleção: ‘Decisão final é minha’.

Renan, ex-funcionário da CBV, não comenta recentes denúncias, nega dedo de ‘senadores’ e interferência na seleção: ‘Decisão final é minha’.

Bruno Voloch

06 de abril de 2018 | 07h34

A época é propícia. O assunto seleção brasileira é inevitável, ainda mais quando se aproxima a convocação. Será em breve. A maneira como a coisa é ou era conduzida nos bastidores foi motivou a entrevista.

O blog conversou com Renan Dal Zotto.

O técnico, aparentemente, não se sentiu constrangido em responder questões relacionadas a possíveis interferências externas na lista de convocados.

Renan foi claro e disse que não existe participação ‘de fora’, muito menos dos ‘senadores’, jogadores considerados intocáveis e que, segundo fontes, aprovariam e vetariam nomes.

O treinador frisou que conversa com seu grupo de trabalho mas que a decisão final é dele.

Por fim, perguntado sobre as recentes denúncias contra a CBV, Confederação Brasileira de Vôlei, Renan, ex-funcionário, disse que hoje o foco está dentro de quadra.

Existe alguma interferência externa na convocação da seleção por parte de membros da antiga comissão técnica?

Ouço todos os componentes da comissão técnica da seleção brasileira, profissionais da área técnica, física ou médica, temos reuniões periódicas e existe uma relação de confiança, como acredito que deve ser, mas a decisão final é minha, sem nenhum tipo de interferência.

Jogadores mais antigos do atual grupo e considerados ‘intocáveis’ são consultados sobre os possíveis nomes para a convocação?

Como dito acima, as ideias são debatidas entre a comissão técnica e a decisão final é minha.

A convocação é 100% técnica ou política?

Para a convocação, considero a fase atual do atleta e a perspectiva que vislumbro quanto ao futuro.

Renan decide os nomes ou os assistentes opinam?

Já respondido acima.

Jogadores que não estão em atividade podem ser convocados?

Não entendi a sua pergunta. Se preferir ser mais específico, explicando melhor, voltamos a falar.

Como ex-funcionário da CBV, Renan viu de que maneira as últimas denúncias de fraude na entidade?

Sim, ex-funcionário. Desde o ano passado sou o técnico da seleção brasileira e o meu foco está exclusivamente voltado para a quadra.

Renan pretende assistir as semifinais da Superliga. Pode opinar sobre os jogos?

Tenho acompanhado a Superliga desde o início, sempre atento a todos os jogadores e, evidentemente, estarei da mesma forma nestes jogos válidos pela semifinal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: