Rio, quase no chão, se apega ao BRASIL, de Bernardinho, para evitar eliminação.

Rio, quase no chão, se apega ao BRASIL, de Bernardinho, para evitar eliminação.

Bruno Voloch

19 Outubro 2016 | 13h59

O Rio tropeçou, caiu diante do Casalmaggiore, campeão europeu, e está sob pressão. Não pode mais errar no mundial que está sendo jogado em Manila, nas Filipinas.

A situação não é nova para Bernardinho que viveu algo semelhante há dois meses.

A seleção brasileira masculina, na ocasião com duas derrotas, não poderia mais perder se quisesse sobreviver na Olimpíada. E assim foi pressionada até o fim.

RexonaSescRiosAnneBuijsdivestheball

O cenário agora é absolutamente igual guardadas as devidas proporções.

O Rio, que venceu o frágil Logistics Manila na estreia, terá que superar um gigante assim como o BRASIL, de Bernardinho, que encontrou a França pelo caminho.

RexonaSescRioBernardoRezendeCoachmotivatehisteam

O Eczacibasi, da Turquia, não é nenhuma seleção. É um time forte, recheado de estrelas internacionais como a brasileira Thaisa, a russa Kosheleva, as norte-americanas Larson e Rachael Adams e as sérvias Boskovic e Ognjenovic.

O Eczacibasi ainda sofre e está longe do entrosamento ideal. Pode estar aí a chance do Rio. Única por sinal.

De qualquer maneira o time comandado por Massimo Barbolini fez 3 a o contra o mesmo Casalmaggiore que bateu o Rio no tie-break.

RexonaSescRiosGabrielaBragaGuimaraesspikes

O Rio vai precisar mais do que nunca do ‘espírito’ da seleção masculina para não ser eliminado em Manila.