Risco mal calculado

Bruno Voloch

06 de fevereiro de 2020 | 08h08

Cada escolha tem seu preço.

Não dá para falar em menosprezo, mas Rubinho, técnico do Sesi, fez a dele.

O treinador, segundo consta, teve que poupar o levantador William com dores no joelho para o jogo contra Itapetininga, mas no fundo não imaginou que o adversário pudesse oferecer tanta resistência.

Itapetininga não só resistiu como encarou o Sesi de frente e venceu com méritos por 3 sets a 0. Resultado inesperado e que pode  sair caro no futuro.

O prejuízo já pode ser contabilizado no presente.

A vitória do rival Sesc contra Campinas já empurrou o Sesi para o quarto lugar.

Os erros da arbitragem, especialmente na bola que decidiu o primeiros set, e a ausência de Fábio, lombalgia, não justificam o revés em Itapetininga.

Risco mal calculado.

A Libertadores, sem Taubaté e Cruzeiro, não enche a barriga de ninguém.

Para a sorte de Rubinho, a política do Sesi é completamente diferente dos clubes grandes. Ali tanto faz ganhar ou perder, não existe cobrança e não muda nada. É essa a filosofia desde o início do projeto.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: