Rubinho no lugar de Anderson é trocar seis por meia dúzia

Rubinho no lugar de Anderson é trocar seis por meia dúzia

Bruno Voloch

31 de outubro de 2020 | 12h17

A temporada 2020/21 acabou para Bauru.

Ninguém se iluda.

Dias melhores não virão.

A chegada de Rubinho simplesmente representa trocar seis por meia dúzia. Para se ter uma noção, o técnico contratado declarou recentemente ser ‘analfabeto’ no feminino.

Imagine o que está por vir.

Rubinho nunca ganhou nada no Sesi. Jamais foi unanimidade e seus métodos de trabalho duramente criticados internamente pelos jogadores que simplesmente ‘aturavam’ o treinador.

Sonhador, achava que assumiria a seleção brasileira quando Bernardinho deixou o cargo em 2016. Criticou abertamente a escolha de Renan Dal Zotto.

Estava desempregado.

As semelhanças com o antecessor são grandes, passando pela arrogância e prepotência. A diferença é que Anderson sabia o nome das jogadoras.

A inacreditável imposição do Sesi, que paga 50% da conta, sugere que os dirigentes de Bauru perderam completamente a autonomia no vôlei, algo previsível desde a junção em 2018.

O interesse acabou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: