Sesi, eliminado, fica mais um ano na fila. E ninguém paga a conta.

Sesi, eliminado, fica mais um ano na fila. E ninguém paga a conta.

Bruno Voloch

11 Janeiro 2019 | 08h18

Onde não existe cobrança, ganhar ou perder é indiferente.

Foi sempre assim no Sesi.

Investimento alto e pouco retorno. Quase zero.

É o preço que o clube vem pagando pela administração ruim e a incompetência da comissão técnica.

Para agravar ainda mais o quadro, corre nos bastidores, e com alguma força, a notícia que o Sesi, movido pela decisão do treinador, não teria interesse em conseguir a classificação para evitar mais viagens e deslocamentos. Isso explicaria em parte a derrota por 3 a 2 para Maringá.

De fato a Copa Brasil não tenha nenhum valor, só que o Sesi é o único dos grandes que não pode abrir mão de nada porque não ganha nada.

Ainda assim, o técnico Rubinho e sua trupe seguem prestigiados e intocáveis. Por essas e outras dá para afirmar, diante da política existente no clube, que nenhuma mudança acontecerá.

E ninguém paga a conta.