Sheilla afirma ao blog: ‘Quero muito voltar. Não é questão de justiça e estou sem time por opção’.

Sheilla afirma ao blog: ‘Quero muito voltar. Não é questão de justiça e estou sem time por opção’.

Bruno Voloch

06 de setembro de 2017 | 09h42

Ela é unanimidade e deixou saudade. Faz tempo, muito tempo, que o torcedor não vê Sheilla em quadra. A última vez que isso aconteceu foi na fatídica derrota do BRASIL para a China na Olimpíada do Rio.

Depois disso Sheilla, 34 anos, literalmente parou.

O que não faltam são propostas. Sheilla está ou estava em ano sabático. Aproveitou para se dedicar aos familiares e descansar, mas sem jamais se descuidar.

No BRASIL não joga desde 2014 quando defendeu Osasco.

O blog foi atrás dela.

Gentil e atenciosa como de hábito, Sheilla deixou claro que não está em quadra por opção própria. Não descarta jogar no exterior e deixa claro que seleção está fora dos planos.

Nem mesmo a chance de conquistar a inédita medalha de ouro no mundial em 2018 é capaz de sensibilizar a jogadora.

O torcedor pode ter esperança em ver a Sheilla em quadra na Superliga?

Quero muito voltar. No BRASIL está muito difícil devido a crise econômica mas estou estudando todas as possibilidades. Treino diariamente para não perder a forma.

Existe a possibilidade de você jogar no exterior?

Só iria numa condição excepcional e totalmente irrecusável financeiramente. Ainda assim só no fim do ano e por meia temporada.

Pelo jeito a coisa do ranking não deu em nada. Como você se sente sendo um ícone do esporte e estar nessa situação?

A justiça no BRASIL é lenta. Mas vamos continuar lutando até porque não saiu a decisão final.

É justo você passar por isso?

Não é questão de justiça. Foi opção minha. Claro que o ranking diminui a possibilidade de trabalho.

E a CBV, Confederação Brasileira de Vôlei, procurou você?

Como disse acima estou sem time por opção.

E seleção? 2018 é ano de mundial. Você não pensa em voltar?

Não. Já deixei bem claro e isso está bem resolvido na minha cabeça. Tenho muito orgulho do que conquistei com a camisa da seleção. É um título que não tenho mas a seleção estará bem representada.

E o que a Sheilla pode dizer dessa atual seleção brasileira?

A superação no Grand Prix foi incrível. Esse time ainda vai crescer e mostrou força em situações adversas. Estão no caminho certo.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.