Sul-Americana confirma direito de sediar Pré-Olímpico e prioriza ajuda para BRASIL não ficar fora dos jogos de Tóquio.

Sul-Americana confirma direito de sediar Pré-Olímpico e prioriza ajuda para BRASIL não ficar fora dos jogos de Tóquio.

Bruno Voloch

01 de fevereiro de 2019 | 15h04

O blog acaba de conversar com Marcelo Wrangler, diretor executivo da CSV, Confederação Sul-Americana de Vôlei.

O dirigente confirmou que a entidade ganhou a concorrência para sediar o pré-olímpico feminino entre 2 e 4 de agosto.

‘Como a CBV, Confederação Brasileira de Vôlei não tem verba para pagar o evento e os demais países envolvidos, República Dominicana, Azerbaijão e Camarões não se manifestaram oficialmente, a Sul-Americana fez uma proposta para a FIVB, Federação Internacional de Vôlei. Proposta essa que foi aceita’.

Marcelo disse que a prioridade é classificar o BRASIL para a Olimpíada:

‘Como Sul-Americana temos o interesse direto na classificação do BRASIL sem a necessidade do classificatório continental em janeiro de 2020. Assim, abrimos a chance de termos dois países do continente nos jogos olímpicos do Japão, o que não aconteceria se o BRASIL perdesse o pré-olímpico’.

Baseado nessa tese, Marcelo falou que a ideia é realizar o torneio no BRASIL:

‘Não iremos levar o evento para fora do BRASIL. A seleção perderia força e os adversários iriam se fortalecer. Tenho conversas avançadas para realizarmos o pré-olímpico em Belo Horizonte. Rio e Recife são outras opções’.

A CBV, procurada pelo blog, não retornou o contato.