Superliga da Pizza: Caso Caramuru é atestado de incompetência e descompromisso da CBV

Superliga da Pizza: Caso Caramuru é atestado de incompetência e descompromisso da CBV

Bruno Voloch

22 de julho de 2020 | 08h24

A confirmação de Caramuru é o atestado de incompetência da CBV, Confederação Brasileira de Vôlei.

Vergonhosa a decisão de manter o clube na principal competição do país, agora reconhecidamente a Superliga da Pizza, crítica ao vício nacional sobre a impunidade dos crimes cometidos.

Ao desdenharem da crise, Radamés Lattari e Renato D’Avila carimbaram o atestado de despreparo ao negligenciarem as terríveis denúncias e as graves consequências.

Os dirigentes da CBV defecaram na cabeça dos jogadores ao ignorarem os calotes e acordos não cumpridos de Caramuru. Conversa fiada essa de dizer que o regulamento foi cumprido porque os mesmos assinaram o fair play.

E daí?

Onde ficam a moral e a ética?

A conclusão que se chega, entre outras coisas, é que Montes Claros e Taubaté fizeram papel de trouxa. Ribeirão correu para sair com nome limpo sem necessidade.

Pagar ou não pagar, para a CBV, dá o mesmo direito.

O que falta, e não é de hoje, são profissionais respeitados e preparados para os cargos que exercem.

A CBV não tem nem uma coisa, nem outra.

É um bando de aventureiros, acomodados e que caíram de paraquedas. Continuam mandando, talvez por pouco tempo, e sendo merecidamente motivo de chacota entre a maioria esmagadora dos atletas.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: