Superliga de pior a pior. Crise bate à porta e Taubaté completa 3 meses de salários atrasados

Superliga de pior a pior. Crise bate à porta e Taubaté completa 3 meses de salários atrasados

Bruno Voloch

01 de fevereiro de 2020 | 12h25

Como se não bastasse o drama frequente e conhecido dos chamados pequenos, envolvidos em dívidas e calotes, a crise alcançou o tradicional Taubaté, atual campeão da Superliga.

O clube deve 3 meses de salários aos jogadores e parte da comissão técnica.

O blog apurou que os salários relativos aos meses de novembro, dezembro e janeiro não foram pagos. O último foi em outubro do ano passado.

Não existe previsão para que a situação seja regularizada. O elenco cobra, com razão, e exige resposta dos dirigentes e políticos da cidade envolvidos no projeto.

O clima é de desconfiança.

Apesar da crise e da enorme insatisfação, o time entrou em quadra pela terceira rodada do returno e venceu Ribeirão Preto por 3 sets a 0 no Abaeté.

Taubaté é vice-líder do campeonato.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: