Superliga Masculina: egoísmo, ignorância e irresponsabilidade

Superliga Masculina: egoísmo, ignorância e irresponsabilidade

Bruno Voloch

09 de abril de 2020 | 10h34

A fatídica e malfadada reunião do dia 20 entre os clubes da Superliga Masculina e a CBV, Confederação Brasileira de Vôlei, vai mesmo acontecer.

Soa como piada, mas não é.

Enquanto o mundo luta contra a pandemia de coronavírus e o número de casos e mortos cresce assustadoramente no BRASIL, representantes do Minas sugeriram, segundo o blog apurou, antecipar o encontro. O clube mineiro foi solenemente ignorado pela maioria.

Taubaté, Sesi e Sesc, os dois últimos ainda a favor da continuidade do torneio, foram os únicos que responderam, enquanto os demais sequer tocaram no assunto.

Até onde o blog chegou, a ideia absurda de terminar a Superliga em outra época, segundo semestre, perdeu força mas não está totalmente descartada.

Quem compartilha ou defende é sem noção, egoísta, ignorante e irresponsável.

Gente individualista que não pensa nos jogadores e certamente acha que pode sair de casa não acreditando na gravidade da coisa e colocando todos em risco, inclusive os próprios familiares.

Só eles achavam em março que aqui será diferente com a chegada do vírus. E certamente pensam que em setembro não estaremos navegando em mares revoltos com a economia naufragando.

São seres obtusos que passam por cima das orientações da ciência. Os exemplos de Itália, Espanha, França, Inglaterra e Estados Unidos estão aí.

Uma questão de saúde pública vira guerra ideológica.

O prejuízo com o não cancelamento do torneio mês passado, opção da maioria, gera problemas financeiros em diversos times, algo óbvio de se prever.

Paciência, os energúmenos que postergaram a competição deveriam ter pensado nisso lá atrás.

Egoísmo, ignorância e irresponsabilidade.

O pior é que a CBV não tem peito de acabar com a Superliga na marra.

Bons tempos…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.