Taubaté justifica contratações, propõe redução de 15% e avisa: ‘Quem não está satisfeito pede para sair’

Taubaté justifica contratações, propõe redução de 15% e avisa: ‘Quem não está satisfeito pede para sair’

Bruno Voloch

10 de junho de 2020 | 13h11

O blog acaba de conversar com Ortiz Júnior, prefeito de Taubaté.

Segundo consta, o clube tem dívidas com os jogadores. Vencimentos e notas relativas aos meses antes da pandemia e que entraram na planilha, divulgada pelo blog na época.

‘O momento é delicado e aqui ninguém foge da responsabilidade. Todo acordo por nós definidos na planilha estabelecida será cumprido. Não posso estabelecer prazo, mas iremos arcar com nosso compromisso’, explica Ortiz.

O prefeito explicou o que levou Taubaté chegar a esse estágio:

‘Alguns patrocinadores entraram no meio da temporada passada. Outros ainda mais na frente e isso vai ocasionando perda de receita e déficit. As coisas acabaram ficando acumuladas. Temos receitas quem chegam de diferentes entradas. Quando acordamos a planilha veio a crise mundial da pandemia do coronavírus. Questão prioritária e o vôlei passa a ser secundário’.

Ortiz Júnior foi obrigado a mudar de estratégia diante do cenário financeiro na cidade, no país e no mundo:

‘Não fui eu. É no mundo. Todos os segmentos sofreram cortes, aqui não seria diferente. Parceiros tiveram prejuízos sem a exposição na mídia, deixaram de arrecadar com empresas fechadas e funcionários dispensados. São 3 meses sem entrada o que dificulta qualquer gestão. Conversei separadamente com jogadores e seus respectivos empresários e a proposta, nada absurda se formos levar em conta a tragédia, é reduzir 15% do valor total devido dos meses que tivemos os problemas relativos ao coronavírus. 15% para quem ganha R$ 600,00 é uma coisa, para os jogadores é completamente diferente. Questão de bom senso’.

Só que nem todos aceitaram e foram receptivos, até onde o blog chegou. Posição que também não assusta o prefeito:

‘É direito deles não aceitarem. O que afirmo é que não irei cometer loucura e não serei irresponsável. É um projeto de nome com 7 anos e somos os atuais campeões do BRASIL. Atletas como Thales, Douglas Souza e Rapha nunca me criaram problema aqui dentro. Douglas já aceitou. Lucarelli é um menino maravilhoso e as 5 notas dele serão pagas da maneira como pudermos arcar. Agora, quem não está satisfeito, pede para sair e vai embora. Se discute judicialmente’.

Indagado sobre a chegada de reforços, como Maurício Borges, João Rafael e Bruno, ele explicou:

‘Como disse em agosto a coisa volta ao normal para o início da temporada. Nesse caso tudo zerado. Nova temporada. O passado resolvido com quem quiser resolver e da maneira que podemos resolver. Foram investimentos normais e com garantias. Bruno, por exemplo, na mesma faixa de contrato do Lucarelli, ou seja, tudo bem pensado e articulado’.

Ortiz deixa claro que Taubaté ainda pode voltar ao mercado:

‘Não é uma ameaça. É realidade. Caso alguém não esteja satisfeito ou não concorde, como eu disse, peça as contas e a gente corre atrás de outros nomes. Aqui o nome da entidade está acima de tudo’.

Perguntado sobre o fair play financeiro, Ortiz foi taxativo:

‘Taubaté vai jogar a Superliga’.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: