Taubaté paga dívida com juros e correção

Taubaté paga dívida com juros e correção

Bruno Voloch

31 de outubro de 2020 | 13h56

Taubaté pagou.

É verdade que a vexatória perda do título estadual para Campinas não será tão cedo esquecida. E nem pode. Foi uma das maiores humilhações da história do clube.

Taubaté não pode perder para Campinas. Nunca.

A sensação porém foi que a partir daquela vergonhosa derrota o time se fechou.

O Super 8 não dá para levar muito em consideração. O nome do adversário sim, valorizou a conquista. Mas 3 a 0 não é realidade para o tamanho desse jogo.

A Supercopa foi outro papo, até pelo comportamento do Cruzeiro, sem tirar os méritos do que Taubaté fez na Arena Minas. O time precisou jogar e se superar em Campo Grande.

A vitória no terceiro set, com a mão de Weber, acabaria sendo fundamental no fim das contas. Taubaté estava preparado para um jogo diferente e foi exatamente o que aconteceu.

Rapha foi brilhante, Maurício Souza se agigantou no meio e ninguém jogou mais bola que João Rafael. Existe ainda uma clara deficiência na saída. Felipe Roque tem sido mais constante, mas é um oposto previsível e que só tem diagonal. Longe de ser confiável.

O Cruzeiro sentiu falta de Alan e os centrais foram abaixo do que pode render.

Não dá para dizer que a pressão mudou de lado. Não. O que dá para dizer é que Taubaté aprendeu a lição pagou a dívida do paulista com juros e correção.

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.