Tifanny desequilibra e faz a diferença no inédito título estadual de Bauru.

Tifanny desequilibra e faz a diferença no inédito título estadual de Bauru.

Bruno Voloch

05 Novembro 2018 | 23h49

Tifanny resolveu.

Quase 1 ano depois de ser contratada, a jogadora, que foi pivô de muita polêmica na última Superliga, fez toda a diferença no segundo jogo da final do campeonato paulista.

Ela entrou no terceiro set como ponteira, marcou 17 pontos e acabou sendo determinante na virada de Bauru que perdia a partida  por 2 sets a 1.

Bauru, invito, levou o título pela primeira vez.

Conquista com a marca de Tifanny. Jogo tenso, recheado de erros de ambos dos dois lados, cheio de alternativas, concentrado nas pontas e decidido pelo banco, ou melhor, por quem veio do banco, no caso Tifanny.

Não que Paula Pequeno, outra que entrou no decorrer da partida, não tenha feito sua parte. Paula está em ótima forma e só não jogou mais que Mari Paraíba.

Faltou para Osasco um pouco mais de Lorenne e Leyva, corretamente deslocada para a saída. Talvez a regularidade de Valentina Diouf, não no segundo jogo e sim na série, tenha pesado a favor de Bauru.

Osasco, se levarmos em conta o que passou, chegou até longe demais e valorizou muito a conquista de Bauru. Luizomar de Moura teve que reconstruir o time que mostrou força para sair do buraco contra Barueri e jogar os playoffs de igual para igual sem levantadora reserva e sem Hooker.

Bauru não.

Esse foi outro diferencial.

Nada tira os méritos de Bauru que pode se planejar, começou a trabalhar cedo, sem desfalques ou problemas de lesão, com grupo inteiro durante toda a competição e Tifanny, que saiu do banco para fazer história.