Todo mundo de olho em Barueri. Fluminense inclusive.

Todo mundo de olho em Barueri. Fluminense inclusive.

Bruno Voloch

02 Março 2018 | 09h39

Barueri x Praia Clube é o único jogo que vale alguma coisa na última rodada da Superliga. Os outros, inclusive Rio x Osasco, são amistosos, esse de luxo.

O resto não. Duro de ver.

Alguns ingredientes interessantes nesse Barueri x Praia Clube.

(Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

José Roberto Guimarães e Paulo Coco, parceiros inseparáveis de seleção, de novo em lados opostos. Barueri deu trabalho no primeiro turno. Hoje, em tese, está mais forte, entrosado, ganhou corpo com as estrangeiras e vem completo.

Joga em casa e tem apoio da torcida. Não será surpresa se aprontar.

E o que esperar desse Praia que já é primeiro e não tem nada a perder, literalmente falando?

Paulo Coco não deve arriscar. Não seria prudente colocar Garay e Walewska em quadra já que ambas foram poupadas contra o Rio.

Uma eventual segunda derrota seguida entretanto poderia abalar o emocional do Praia que já não é lá essas coisas. Jogo de compadres?

Não creio. Só se Barueri tiver preferência por Osasco nas quartas. Mas qual a diferença de jogar entre Osasco e Minas?

Em todo caso, Barueri só não será quinto colocado se perder por 3 a 0, o que convenhamos é difícil de acontecer diante do que foi relatado. Nesse caso, o time paulista seria sexto se o Fluminense ganhar do Sesi por 3 a 0, placar natural em São Paulo.

O Minas cumpre tabela em Valinhos. Bauru faz o mesmo em São Caetano e o Pinheiros pagará o maior mico da história se não vencer o ‘penetra’ Brasília.