Uma peça que muda a engrenagem de Osasco.

Uma peça que muda a engrenagem de Osasco.

Bruno Voloch

27 de novembro de 2019 | 08h54

A entrada de Ellen e o deslocamento de Bjelica para a saída deram a vitória ao time de Osasco contra Barueri no tie-break.

Esse é o melhor desenho que Luizomar de Moura tem hoje nas mãos. A sensação é que só com essa configuração poderá brigar de igual para igual com Minas, Praia e Rio pelo título da Superliga.

Bjelica até que não foi mal como ponteira no primeiro set, mas o rendimento da sérvia como oposta é incomparável. Osasco ganha em segurança e a própria jogadora se sente mais confiante.

Ellen idem.

Não espere dela 20 ou 30 pontos por partida.

Não.

Ellen é uma jogadora de composição, eficiente na maioria dos fundamentos e em Osasco tem a maior chance da carreira. Jogar, algo que nunca aconteceu no Praia. Mas não basta jogar, Ellen precisa corresponder e convenhamos a cobrança é bem maior.

Casanova no banco significa uma ótima opção na inversão, coisa que o técnico não tinha com Bjelica de ponta.

Vanessa passa a ser a primeira opção na ponta. Primeira e única até porque Fernanda Tomé, como o blog cravou, não tem previsão de volta, diferente do que a atleta bancou garantido que em 5 dias estaria treinando.

Já se passaram duas semanas e jogar que é bom nada.

 

 

Tendências: