Uma vitória como nos bons tempos

Uma vitória como nos bons tempos

Bruno Voloch

04 de dezembro de 2019 | 08h22

Foi um belo aperitivo, mas em termos práticos o surpreendente 3 a 0 do Cruzeiro contra o Zenit Kazan, da Rússia, ainda não muda a configuração final do mundial.

A vitória indiscutível porém dá ao time brasileiro muita confiança para a sequência da competição e pode sobrar justamente para o Civitanova, adversário de logo mais, quando aí sim outro resultado positivo garante os brasileiros já na final do campeonato.

O Al-Rayyan, do Qatar, não mete medo em ninguém.

A decepção ficou por conta da torcida.

O evento e o histórico do Cruzeiro jogando em casa não foram suficientes para convencer o torcedor. O que talvez tenha pesado contra é a campanha ainda irregular na Superliga.

O que se viu em quadra foi o melhor do Cruzeiro na temporada.

Uma equipe agressiva nos fundamentos, corajosa e aplicada taticamente. Disciplina essa que conseguiu minimizar o poderio do trio Ngapeth, Sokolov e Mikhaylov.

Foi um Cruzeiro como há muito não se via.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.