Vitória merecida, derrota necessária

Vitória merecida, derrota necessária

Bruno Voloch

09 de janeiro de 2020 | 08h40

O provérbio japonês diz: ‘pouco se aprende com a vitória, mas muito com a derrota’.

Essa é a lição, dura por sinal, que fica para Taubaté após a dolorosa derrota para o Sesi por 3 sets a 2, a terceira consecutiva na competição.

Jogo em que o atual campeão da Superliga desperdiçou 5 match points quando abriu 2 a 0 com relativa facilidade e aparentemente tinha a partida dominada e nas mãos. O Sesi, valente, não se entregou e a inesperada vitória no terceiro set por 30/28 mudou completamente o cenário do clássico.

Taubaté acusou o golpe e não se encontrou na parcial seguinte, algo inadmissível para um grupo experiente e rodado.

No tie-break a história se repetiu. Foi a vez do Sesi não conseguir fechar o jogo e quando tudo indicava, novamente, a vitória de Taubaté, o Sesi se recuperou e fechou com 22/20 após erro de Douglas Souza.

Erros. Foram muitos.

74 no total com Taubaté somando 41 contra 33 do Sesi. Números absurdos e exagerados se levarmos em conta o número de jogadores da seleção brasileira em quadra.

Partida que chamou atenção pela emoção, mas pobre tecnicamente. Para se ter uma noção, Taubaté fez míseros 6 pontos de bloqueio em toda partida. Aproveitamento horroroso.

Derrota que liga o alerta em Taubaté.

O Sesi foi premiado pela valentia e por não desistir do jogo em nenhum momento. O time termina o turno colado em Taubaté na classificação e curiosamente com uma vitória a mais.

Resultado também muito comemorado pelo Cruzeiro que passeou contra Caramuru e abriu 4 pontos na liderança, vantagem essa inimaginável no início da Superliga.

 

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: