Wilhite é uma versão melhorada de Sonja Newcombe. Nada além disso

Bruno Voloch

31 de maio de 2019 | 09h04

Quem colocou Sarah Wilhite em Bauru é gênio. No caso o empresário.

O jogo dos Estados Unidos contra a República Dominicana serviu para mostrar que Sarah é uma jogadora comum, insegura quando exigida no passe e extremamente irregular no ataque.

A ponteira está longe de ser confiável. Ela é no máximo uma versão melhorada de Sonja Newcombe, ex-Minas, o que convenhamos não é lá grandes coisas.

O torcedor de Bauru não espere nada especial.

O filme será o mesmo da temporada passada. Anderson Rodrigues, o outro gênio, escalará Gabi Cândido e Sarah nas pontas e no final quem irá resolver será Tifanny.

Como sempre.

Podem anotar.

Tendências: