Ídolos do Corinthians: Luizinho, o Pequeno Polegar

Estadão

23 de setembro de 2009 | 11h40

Ao chegar ao Corinthians em 1949, Luiz Trochillo, ou simplesmente Luizinho – pelos seus 1,64 m, que o transformaram no Pequeno Polegar – não imaginava que se tornaria, talvez, o maior ídolo de todos os tempos do time alvinegro. Foram 606 jogos e 172 gols em 15 anos (em duas passagens).

O motivo para ser amado: gostava de dar espetáculo. Desde que começou no Parque São Jorge, vindo da várzea paulistana, chamava a atenção dos torcedores. Era o clássico meia-direita. Era atração nas partidas dos aspirantes, que fazia muitos torcedores chegarem mais cedo ao Estádio do Pacaembu para vê-lo jogando.

Assim foi até 1960, titular absoluto. Foi para o Juventus, emprestado, voltou em 1964 e encerrou a carreira três anos depois. Sua maior glória é ter feito o gol do 1 a 1 com o Palmeiras na partida final do Campeonato Paulista de 1954, que garantiu ao Corinthians o título do IV Centenário. Foi homenageado em vida com um busto no clube, que está lá até hoje.

Morto em 1998, ele voltou a viver a emoção de jogar pelo Corinthians em 1996, no dia 25 de janeiro, quando entrou em campo aos 65 anos no amistoso contra o Coritiba, quando passou a camisa 8 que tanto usou ao recém-chegado Edmundo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.