Clássico da barrigada
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Clássico da barrigada

Cesar Sacheto

27 de março de 2017 | 11h18

Luis Fabiano continua o mesmo. Com 36 anos nas costas, ele ainda tem surtos, arroubos de fúria, que atrapalham as equipes por onde passa. Neste domingo, foi a vez do Vasco, durante o clássico contra o Flamengo, válido pelo Campeonato Carioca, disputado no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. Ao se irritar com o cartão que levou, o atacante quase derrubou o árbitro, conhecido como Índio, com uma barrigada. Essa é inusitada. Já vi jogador peitar o juiz, empurrar, mas ‘barrigar’ é inusitado. Não me lembro de lance semelhante. Pode ter ocorrido, mas confesso que não me recordo.

O o descontrole do Fabuloso custou bastante ao Vasco. O time estava bem e vencia o rival por 1 a 0. Depois da expulsão, o Fla foi pra cima, virou o placar e só não venceu por que o quarteto de arbitragem resolveu dar uma mãozinha. O pênalti marcado nos acréscimos foi um dos mais absurdos dos últimos tempos. A bola bateu claramente na barriga – olha ela de novo – do lateral, Renê, do Fla. Mas o juizão resolveu inventar. Bisonho.

Bem, voltando ao caso Luis Fabiano, não entendo como o jogador ainda se mantém em grandes times. Antes, pelo menos fazia gols importantes de vez em quando. Agora, nem isso. Não chega nem perto do atacante que foi, dos tempos de Ponte Preta, São Paulo, Porto e Sevilla, além da seleção brasileira. Desde que chegou ao time cruz-maltino, não balançou as redes. Pra mim, já fracassou no retorno ao Tricolor.

Depois da China, o destino de Luis Fabiano deveria ter sido uma equipe média, já pensando em pendurar as chuteiras. Mas Eurico Miranda decidiu apostar. Tanto que o anunciou antes mesmo de o jogador ter finalizado o contrato que tinha com o Tianjin Quanjian. Agora, o polêmico cartola carioca está pagando o preço.

 

discussao

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Luis FabianoVasco

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.