As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Morrendo pela boca

Cesar Sacheto

12 de abril de 2017 | 16h22

O volante Felipe Melo, durante coletiva de imprensa, nesta quarta-feira, deu uma baita refugada quando disse que aquela história de “dar tapa na cara de uruguaio” não era bem daquele jeito. Às vésperas do confronto entre Palmeiras e Peñarol, no Allianz Parque, o pit bull virou pug.

Na verdade, o palmeirense foi vítima da própria língua, que é bem maior do que a boca. Talvez na ânsia de confirmar a fama de marrento, ele decidiu falar grosso naquela que foi a primeira entrevista coletiva como atleta alviverde. Bateu forte também na imprensa – disse que não precisava dos jornalistas – e também teve de se retratar. Agora, todo manso, procurou se explicar. E pediu desculpas.

Muito bem. Se retratar é nobre, Mas, convenhamos, Felipe Melo não precisava passar por esse constrangimento. E não é que outros dois atores do futebol paulista foram atingidos pelo mesmo problema físico, aquele da língua superdesenvolvida?! Pois é. Fábio Carille, técnico do Corinthians, e Victor Ferraz, lateral-direito do Santos, também resolveram soltar o verbo, esquecendo-se que o mundo dá voltas.

O treinador corintiano aproveitou a classificação para as semifinais do Paulistão, após uma vitória magérrima sobre o Botafogo, para soltar aquela conhecida frase “vocês da imprensa”. No estilo zagalístico (vocês vão ter que me engolir!), resolveu cutucar aqueles que colocaram o Corinthians como quarta força do Estado ao ressaltar que o time estava entre os semifinalistas. Mas se esqueceu que, caso não avance para a final, corre o risco de realmente ser apenas a quarta equipe paulista nos números. Ou seja, deveria ter esperado um pouco mais para se vingar dos corneteiros.

Já o lateral Victor Ferraz, esse mostrou falta de respeito com os colegas da Ponte Preta quando disparou que o time de Campinas se acovardou no Pacaembu. Mas a equipe do interior fez o papel dela. O técnico Gilson Kleina traçou uma estratégia e venceu o confronto. Simples. E o Victor Ferraz – que joga muito menos do que acha – perdeu uma grande oportunidade de ficar de boca fechada. O lateral é mais dos vários jogadores ‘mimimis’ que o Peixe tem no elenco. Se estivessem jogando uma barbaridade, a gente até poderia perdoar. Mas não é o que está acontecendo, né?! Afinal, o Santos perdeu a primeira partida, não?!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.