‘Algo diferente’ move alagoano
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Algo diferente’ move alagoano

andreavelar

26 de dezembro de 2010 | 00h01

Gerdan Wesley/ZDL/Divulgacao - 7/3/2010

O próprio Damião Ancelmo de Souza reconhece que ainda está distante do nível dos favoritos da 86.ª edição da São Silvestre. Mas os 18 pódios em 18 provas disputadas no ano credenciam o alagoano, de 31 anos, a uma posição de destaque no último dia do ano, na avenida Paulista.

“Estou no meu melhor momento e a São Silvestre exige o melhor de cada um. É uma prova diferente, ninguém sabe o nosso limite e é onde a gente pode surpreender. Não estou no nível do Marilson (Gomes dos Santos) nem dos quenianos, mas torço para que algo diferente aconteça”, disse Damião.

Se esse “algo diferente” não cair do céu (Damião aposta também na chuva), ele planeja até ajudar Marilson. A tática dos compatriotas, o corredor não esconde que aprendeu com os quenianos.

“Tenho que tentar acompanhar o ritmo deles, correr no calcanhar deles, naquele bolinho. Se não der, já até combinei com o Marilson alguns toques para que um brasileiro vença aprova”, adiantou.

Em 2010, ele foi simplesmente campeão da Copa Brasil de Cross Country, da 10K Brasil, da Meia Maratona das Cataratas do Iguaçu. Além disso, ele foi quinto lugar na 10K Rio e terminou na terceira posição na Volta da Pampulha, no início do mês. No total, venceu 11 etapas em 2010.

“Encaro com seriedade as provas. Tenho o objetivo de dar alegria ao povo brasileiro. Mostrei meu potencial e provei que posso correr bem essa prova”, afirmou.

Íntegra do publicado na edição impressa deste domingo no Jornal da Tarde.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.