O estranho corredor que dá ‘Bom dia’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O estranho corredor que dá ‘Bom dia’

Alessandro Lucchetti

18 de fevereiro de 2013 | 19h14

Domingão pela manhã nesta obra de Maluf

Acho insuportável o Fantástico. A noite de domingo é um duro momento, aquele em que temos de nos preparar para encarar a horrível face de uma segunda-feira. Nesse momento, nada difere mais do meu estado de espírito do que a empolgação alucinada de Zeca Camargo e do irmão mais famoso de Oscar Schmidt e suas múltiplas e pseudoengraçadas entonações que emprega para comentar a rodada de futebol.

Mas o Doutor Drauzio Varella é legal, salva um pouco o programa. No último domingo, tive insônia, acordei cedo e fui correr naquela obra de famigerado nome, o Elevado Costa e Silva, vulgo Minhocão. Lembro-me bem de uma série sobre o corpo humano narrada pelo doutor. Umdeles abordou “A Grande Corrida dos Espermatozoides”. E não é que me deparei com a Grande Corrida do Doutor Drauzio?

Ele é alto, corre com passadas largas, aproveitando a temperatura agradável das primeiras horas da manhã. Lembra um pouco Joaquim Cruz, mas corre olhando para o chão, talvez querendo evitar que alguém o reconheça e lhe peça uma dica de saúde. Imagino que seja abordado por uma razoável quantidade de malas por semana. Eu me senti bem por estar correndo no mesmo horário que ele, me cuidando. Com certeza, trata-se do período mais recomendável para evitar os malefícios da exposição ao sol. Viverei mais alguns anos por causa desse zelo? Sei lá. Preciso comer mais cenoura.

Por falar em ‘sei lá’, outro personagem interessante do Minhocão dominical matutino é o estranho corredor que a todos cumprimenta. Que simpático cidadão! Hoje em dia, uma pessoa que cumprimenta desconhecidos em São Paulo é tão exótica como os “Cavaleiros que dizem Ni”, do Monty Python. E faz sucesso esse ser simpático. Uma corredora loira o cumprimentou toda animada. Talvez seja contagiante essa simpatia, mas tenho anticorpos. Ela reparou que eu, que vinha logo atrás do falastrão, sorri. É possível que também esperasse de mim um ‘Bom Dia’, mas sou tímido. O “Corredor que diz ‘Bom Dia'” é mesmo raro e não ousei imitá-lo.

Bom, como é desejável que todo post contenha algo de útil, fica aqui a minha dica para o pessoal que corre nas adjacências, como a avenida Sumaré. Arrisque percorrer o Elevado. Não passam carros ao redor e é bem mais relaxante correr despreocupadamente, sem ter que prestar atenção nos cruzamentos. Aquele abraço e bons treinos. Para quem for treinar, é claro.  

Alessandro Lucchetti

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.