100 maratonas em 10 anos

100 maratonas em 10 anos

SILVIA HERRERA

28 Janeiro 2018 | 10h10

Depois de sérios problemas de saúde, o pernambucano Júlio Cordeiro saiu do sedentarismo e planeja completar sua centésima 42K em 2018, na Maratona do Rio, na companhia de cem amigos para celebrar em grande estilo seu aniversário de 50 anos. #BlogCorridaParaTodos #maratona #corridaderua #superação

Natural de Tabira (PE), Júlio é signo de leão, do dia 29 de julho de 1968, e vive desde os 13 na capital do Estado. Há 30 anos teve que operar o joelho e virou sedentário de vez. A fatura chegou em 2006, quando viu a morte de perto por conta de um problema cardíaco fulminante. Depois desse tremendo susto reinseriu o esporte no seu dia a dia. Começou com as caminhadas e depois a treinar corrida de rua com o pessoal da ACORJA, nove meses depois completava sua primeira maratona, em 2008, a do Rio. Exatamente essa que ele escolheu para celebrar sua centésima corrida de longa distância, a prova está confirmada para 3 de junho.

“EU ME TORNEI UM FELIZ

 VICIADO EM CORRIDAS

Júlio já conheceu 20 países correndo e mais dez estados brasileiros. Correu na Dinamarca, Suécia, passou pela África do Sul e chegou a competir na China. Disputou 35 provas internacionais. Ao todo já percorreu mais de 4 mil km em corridas de rua. Daria pra ir e voltar correndo de Pernambuco ao Rio de Janeiro. Melhor nem dar essa ideia para ele…

Em 2017, completou sua 90ª maratona, também na Maratona do Rio. A paixão é tão grande que ele chegou a criar um blog para compartilhar suas aventuras no asfalto. “Desde a minha primeira Maratona do Rio eu me tornei um feliz viciado em corridas. Hoje sou apaixonado por longas distâncias e ela me permite realizar grandes sonhos. A cada ano que passa os desafios e os amigos aumentam. Em 2018, serão muitas conquistas pessoais: completar a 100ª maratona, nos meus 50 anos. Será a minha 11ª Maratona no Rio e levarei comigo 100 maratonistas amigos pra celebrar esse meu momento. A maioria é daqui do Recife. Estou muito feliz por poder viver isso tudo na corrida mais linda do Brasil”, finaliza. Parabéns Júlio!! Estamos na torcida!

Qual foi exatamente esse problema no coração? Como foi o tratamento? O médico sugeriu atividade física?

Júlio Cordeio – Desde meus 32 anos já tomava anti-hipertensivo. A justificativa médica era sempre a mesma – herança genética. Nunca aceitei isso de fato, mas também a negligência em tomar a medicação certinha fez com que o meu problema se agravasse. Por várias vezes fui “sozinho” (não dizia nem pra minha esposa) pro hospital por picos hipertensivos. Um dia ao ir pro trabalho senti uma dor muito forte no peito e parei no hospital. Depois de um eletrocardiograma, o médico falou que eu teria que fazer um cateterismo. Nunca esquecerei de quando eu perguntei ao médico, QUANDO? E ele falou AGORA. Por sorte minha, não precisei colocar nenhuma válvula. Apenas aumentaram as doses do medicamento e as preocupações.  Após esse episódio fiquei com certo temor até em fazer atividade física. Já faziam 10 anos no sedentarismo. Na verdade, fiquei um pouco anestesiado com tudo isso. O médico sugeriu escolher uma atividade física e eu comecei com caminhadas.

Por que escolheu a Maratona do Rio para ser a primeira? A família foi torcer junto?

Júlio Cordeio – Na verdade, a Maratona do Rio não foi a primeira escolha. Fiz a inscrição para a Maratona de Atenas, na Grécia. Ela aconteceria em novembro e depois de um longão de 26kms, resolvi antecipar essa loucura e me inscrevi pra Maratona do Rio 2008.  Um total atrevimento. Não tinha a menor ideia do que era correr uma maratona. Fui na pilha dos amigos aqui do Recife. A minha esposa nem quis ir pra ver a minha loucura (risos). Na subida da Niemeyer no km 28, jurei nunca mais fazer uma loucura dessas na vida. Exatamente um mês antes de completar 40 anos (29/06/2008), fiz a minha primeira maratona. Depois disso o “bichinho” da corrida me pegou. Em 2008 fiz duas maratonas; em 2009 dez maratonas e três ultras; em 2010 mais onze maratonas e uma ultra; em 2012 foram nove maratonas; 2013 mais nove maratonas em uma ultra; em 2014 completei nove maratonas, em 2015 dez; 2016 sete e este ano mais 15, a última foi a de Curitiba, dia 19 de novembro (138º na faixa etária com o tempo de 04:15:19).

Como são seus treinos? Quem é o treinador? É de alguma assessoria esportiva?

 Júlio Cordeio – Participo desde o início da minha vida de corredor a um grupo de corridas aqui do Recife – ACORJA. Nunca tive um treinador específico nesse tempo. Pra ser bem sincero, nunca fui muito fã de treinos. Gosto mesmo é da adrenalina e da competitividade da corrida oficial. Desde o início de 2014 meus treinos se resumem a ir para o trabalho duas vezes na semana correndo. Fiz uma estrutura de banheiro e guarda roupa e corro 10 km até o trabalho e volto no fim da tarde mais 10 km. Ainda dou um mergulho na praia antes de trabalhar. Minha qualidade de vida hoje é outra muito diferente dos tempos que eu ia de carro. Os outros dias trabalho pertinho e vou a pé, Uber, táxi… Desde essa época que não quis mais automóvel na minha semana.

Para a maratona do Rio 2018, a família vai junto? Eles vão correr?

Júlio Cordeiro – Está sendo muito bem planejado essa minha celebração nas corridas, afinal serão muitos números em jogo: 11 maratonas seguidas no Rio, dez anos de corrida; 25 anos de casamento; 50 anos de idade; 100 maratonas/ultras.  A família irá em peso pra festa. Meus quatro filhos, minhas três irmãs e a minha esposa farão a corrida de 6km.  Minha mãe me prometeu que iria fazer uma caminhada na minha chegada. Mais de 100 maratonistas amigos meus farão a maratona comigo.

O que é a corrida pra você?

Júlio Cordeiro – A corrida mudou completamente a minha vida e me aproximou da minha família.  Hoje tenho amigos corredores que considero como irmãos. Uma verdadeira família. Hoje não tomo nenhum tipo de medicamento e a hipertensão não existe mais. De um cara super estressado de antes, mudei para uma grande qualidade de vida. Sou muito saudável e me sinto muito mais disposto que antes. Consigo fazer uma das coisas que mais gosto associando a corridas-Viajar. Sempre quando viajo procuro maratonas casadas pra fazer e aproveitar.  Alguns exemplos de “maratonas casadas”:  Maratona de Porto Alegre (24/05/2009) e  Maratona de São Paulo (31/05/2009); ou  Maratona de Berlim/Alemanha (20/09/2009) e  Maratona de Gussing/Áustria (27/09/2009); ou Maratona de Seattle/EUA (29/11/2009) e Maratona de Las Vegas/EUA (06/12/2009); ou ainda casamento triplo:  Maratona Daniel Boone-Pensilvânia/EUA (03/05/2017), Maratona de Wisconsin-Kenosha/EUA (06/05/2017) e Maratona Kalamazoo- Michigan/EUA (07/05/2017). Só tenho que agradecer a esses 10 anos que a corrida me trouxe.

Quem é seu ídolo no esporte?

Júlio Cordeiro – Meu ídolo é um corredor aqui do Recife chamado Lula. Um pequeno nome e um coração enorme, sempre ajudando a todos que buscam na corrida uma atividade prazerosa. Ele é o “cara” aqui de Pernambuco. Foi ele um dos grandes responsáveis por essa minha guinada de vida.

Números:

90 maratonas e 7 Ultra Maratonas

Total kms – 4.223,55kms

Provas programadas:

99ª – Maratona de Paris – França – 8/04/18

100ª – Maratona do Rio 2018 – 03/06/18

Maratonas por ano

2008 – 2 maratonas
2009 -10 maratonas / 3 ultramaratonas
2010 – 11 maratonas / 1 ultramaratona
2011 – 10 maratonas / 2 ultramaratonas
2012  – 9 maratonas
2013  – 9 maratonas / 1 ultramaratona
2014 – 9 maratonas
2015 – 10 maratonas
2016 – 7 maratonas
2017 – 13 maratonas

 

 

Mais conteúdo sobre:

maratonacorrida de rua