6km com o Imperador

6km com o Imperador

SILVIA HERRERA

01 de fevereiro de 2016 | 07h30

Haile Gebrselassie

Confira entrevista com o bicampeão olímpico, óctuplo campeão mundial e detentor de 27 recordes mundiais, o atleta etíope Haile Gebrselassie, 42 anos, se aposentou das provas no ano passado, mas nunca vai perder seu título de imperador absoluto dos 10 mil metros. O fundista esteve no Brasil pela segunda vez, agora para conferir os preparativos para a olimpíada.

O celular tocou, do outro lado da linha a agência da Adidas me convidando para um evento com Haile Gebrselassie. Treino na USP seguida de quatro minutos de entrevista individual. Quase desmaie. 2016 começou bem. Iria conhecer um dos meus ídolos, o cara que pulverizou os recordes das corridas de rua e das maratonas, entre 2002 e 2010.

O imperador é baixinho, tem 1,65m, e sofre de asma, características que não o impediram de estraçalhar seus oponentes nas pistas e nas corridas de rua. Seu sorriso e simpatia são contagiantes. Como todos os fundistas da Etiópia, ele começou a correr para chegar à escola mais rápido – eram justamente 10km de distancia. Ou seja, Gebrselassie corria 20km cinco vezes por semana – que dá 100k por semana!!!!

O treino começou às 7h45 – seriam 6k com o Imperador na Cidade Universitária, largada e chegada no Run Base da Adidas.  A organização disse que o campeão ia fazer um trotinho. Que nada. Largou e chegou com pace 3 (3 minutos cada km). Meu coração quase saiu pela boca. Ninguém conseguiu emparelhar. Gebrselassie nem suou rsrsrs. Mas ficou esperando os que chegaram primeiro, deu autógrafos e posou para centenas de selfies com a maior paciência do planeta. #imperador #corridaparatodos

Qual foi o melhor momento de sua carreira?

O melhor momento, foi sem dúvida, a final olímpica em Sydney em 2000, quando conquistei o ouro no final da prova, ultrapassando Paul Tergat, na prova dos 10 mil metros. Os últimos cem metros, com a disputa acirrada com Tergat. Quando acabou a prova perguntava a mim mesmo: Eu ganhei?

E o pior momento?

Foi em 2010, em New York. Quando quebrei na prova e resolvi aposentar pela primeira vez. Foi uma fase ruim. Depois resolvi voltar, mas já não estava no meu melhor momento.

Qual sua distância favorita?

Os 10 mil metros.

Faltou alguma medalha?

Ouro de uma maratona olímpica.

E como é a vida de aposentado?

Não compito mais desde maio do ano passado, mas tenho vários empreendimentos na minha cidade, Addis Abeba. Tenho hotéis, lojas de carros, cafés, fazendas. Minhas empresas empregam mais de 1.700 pessoas. E continuo correndo todos os dias.

 

“Correr está

no meu sangue”

 

Você ama correr.

Lógico, correr está no meu sangue. Eu desejo voltar a competir, mas não vale a pena já que não tenho mais chances de vitória.

De onde vem este seu sorriso tão contagiante?

É uma característica marcante minha, ele é espontâneo. Nasci com isso. Herdei da minha família, da minha vila.

Quantas vezes já veio ao Brasil?

É a segunda vez. A primeira foi há seis anos, gosto muito do Brasil. Desta vez vim a convite da Adidas, vim conhecer tudo que está sendo preparado para as olimpíadas no Rio. E em agosto estarei aqui para conferir as competições de atletismo.

Gostou de correr aqui na USP?

Foi fantástico, muita gente veio. E acho bem bacana que praticar esporte, especialmente corrida de rua, esteja se tornando um fator cultural no Brasil. Isso é muito importante.

 

Confira abaixo dica exclusiva de Gebrselassie para o Blog Corrida para Todos para quem deseja começar a correr.

 

Galeria de fotos alongamento de Haile Gebrselassie no Run Base SP

Haile Gebrselassie

 

Haile Gebrselassie

Haile GebrselassieHaile GebrselassieHaile GebrselassieHaile Gebrselassie 

E aqui o vídeo da grande final olímpica de 2000.

 

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

corrida de ruaHaile Gebrselassie

Tendências: