A campeã que teve que “pagar” pelo troféu

A campeã que teve que “pagar” pelo troféu

SILVIA HERRERA

02 Agosto 2018 | 12h45

Adriana Toledo Piza venceu a Meia Maratona de Porto Alegre, em 10 junho, na categoria por faixa etária. Por uma falha técnica da organização, erraram a premiação, ela não foi chamada para receber seu troféu e ainda teve que arcar com os custos do envio do mesmo, que chegou mais de dois meses depois da prova.   #maratona #corridaderua #BlogCorridaParaTodos

Meia Maratona de Porto Alegre – reprodução de Facebook

Adriana é corredora amadora, ama correr, tem talento e treina forte no Esporte Clube Pinheiros em São Paulo. Já são 30 anos correndo. Vira e mexe ela sobe num pódio, na categoria por idade e até na geral. Em junho, debaixo de um temporal daqueles, ela completou a Meia Maratona de Porto Alegre, realizada simultaneamente com a maratona, com o ótimo tempo de 01:35:54. Bateu seu recorde pessoal, encontrou com o ídolo Ronaldo da Costa (foto abaixo). Assistiu a premiação, a qual não foi chamada, e descobriu depois que ela fora a campeão da sua faixa etária – dos 50 anos, depois já em São Paulo, conferindo os resultados no site.

Ronaldo da Costa e Adriana

Foi a primeira vez que ela encarou uma chuvarada nos 21K. “Quando olhei cedo pela janela já pensei  – ‘Que roubada…´,  mas estávamos atrasados e não deu tempo de pensar. O táxi demorou, conseguimos uma carona. O trânsito travou, tivemos que descer e já na chuva correr 2km até a largada. Pelo menos já largamos aquecidos e molhados!”, lembra Adriana.

E foi também a primeira vez, e esperamos todos que a única, que alguém tenha que pagar o envio do troféu de campeã da categoria de sua faixa etária, por um erro da organização. “No próprio dia da prova não me chamaram no pódio, achei estranho pois meu técnico assistiu a prova e viu que eu tinha chegado bem! Tentei checar os nomes lá na hora, perguntei o tempo das meninas chamadas… me trataram muito mal, desisti e fui embora”. conta Adriana.
CONFUSÃO
Quando o organizador divulgou a listagem, a surpresa: ela era a vice-campeã. “Como não me chamaram?  Depois acertaram a listagem tirando os cortadores (quem fraudou o percurso) e fiquei em 1º. Liguei, não atendem, mandei mensagem, nada.  Depois de dez dias, me responderam pedindo meu endereço para o envio do troféu”, conta a campeã.
Como estava  demorando demais, ela reclamou de novo. Ontem,  1]/8/18, ela descobriu que seu troféu estava aguardando por ela nos Correios. E lá, nova decepção:  teria que pagar o envio. Alô CORPA (Clube dos Corredores de Porto Alegre) não pode isso. Aliás, também mandei mensagem para vocês e até agora nada. Sugestão, façam como outros organizadores, que enviam todos os troféus das categorias por idade, após criteriosa verificação, e não cobram por isso.
Adriana pagou 135 reais pela inscrição. “Não assumiram o erro da premiação errada, não pediram desculpas e ainda cobraram o envio!”, lamenta a corredora, que ficou muito chateada com tudo isso. E com razão. Encarou chuva, estresse na premiação, teve que reclamar para ser premiada, e quando chega o troféu, teve que desembolsar mais 35,52 reais para retirar. Contra os fatos não há argumentos.

Mais conteúdo sobre:

maratonacorrida de rua